2008/05/28

O dia que me senti mais macho

Depois da terceira vez da semana que alaga a cozinha, entro na loja de ferragens e digo:
- Quero um tubo de saída da máquina de lavar e uma 'braçadeira.
- Você têm o que? Máquina de lavar ou tanquinho?
- Máquina de lavar.
- Então você não precisa de 'braçadeira.
- Preciso sim, senão a mangueira solta quando a máquina vibra. Quanto é?
- R$ 5.

Sai da loja, chegando em casa tirei a calça e coloquei o short do pijama e lá fui eu arrumar a tal da mangueira. Desliguei a máquina da tomada, retirei a mangueira de entrada d'água e tombei a máquina para ver como estavam as coisas. Para facilitar o conserto deixei a máquina de ponta-cabeça e ouvi um cablan. Fingindo que nada havia ocorrido, tombei a máquina de lado e fui retirar o parafuso. - A maldita chave de fenda é muito pequena, cade a maior? E pouco tempo depois estava eu portando a chave apropriada.

Passei a mão por baixo da máquina, forcei o parafuso e este deslizou facilmente. Já contando vitória percebi que estava forçando o parafuso errado, e o correto era aquele-um-mais-pra-frente-lá totalmente coberto de ferrugem. Enquanto ria da minha idiotice, apertei novamente a 'braçadeira até onde a força me permitiu, me virei ao parafuso enferrujado, posicionei a chave e tentei soltá-lo. Percebendo que a ação seria inútil e já me imaginando chamando o técnico para trocar a mangueira e algumas peças do motor que pifaram no cablan, comecei a imaginar como soltar aquela parte. Cortar a borracha seria complicado demais e talvez inefetivo. Não tenho nenhuma chave maior e nenhuma parafusadeira automática. Foi quando me virei ao armário de coisas e vi a segunda soluções de todos os problemas, depois da cerveja- desingripante.

Não hesitei, montei o canudo para aplicar em pequenas áreas e borrifei no parafuso que até então estava imbatível. Posicionei a chave e forcei. O cheiro do desingripante me trazia a força de mil tigres. A chave começava a entortar quando o parafuso demonstrou seu primeiro sinal de fraqueza. Inspirei fundo para sentir o poder do desingripante chegando aos meus músculos. Virei a chave com firmeza e o parafuso girou, jogando a toalha, desistindo da briga. Já com o parafuso praticamente fora de ação, terminei de abrir a 'braçadeira retirando o pedaço de mangueira cortado que estava preso lá. Inseri a mangueira nova, encaixando-a com a 'braçadeira que eu tinha convencido o cara da loja de ferragens que seria necessária.

Agora com uma pelagem mais densa que lã de aço espalhada pelo corpo, três tons mais graves na voz e com a sensação de dever cumprido, ouço boa música e tomo masculamente um chá enquanto minha roupa é lavada (sem amaciante, mas vou comprar logo).


----------------
Now playing: Nina Simone - Love Me Or Leave Me
via FoxyTunes

5 comentários:

Metralha disse...

Que orgulho!!! hehehe

Depois vc me fala q desengripante é esse... hehehe

fortes disse...

é da loctite, mas ainda acho o wd 40 mais da hora

gnorante disse...

Fortes, bem massa seu texto, também me senti assim quando instalei uma torneira. Mas o máximo que usei foi veda rosca. Da uma olhada nesta tirinha do Raphael Salimenta.

Ota disse...

Vixi..será que temos o novo homem da casa ja que o metralha foi embora e o camper fica somente dois dias por semana em casa?
=D

Anônimo disse...

quanta masculinidade.... quando vc vai troca a lâmpada do meu quarto? :)

man